quinta-feira, 6 de setembro de 2012

O limite do esforço humano

......
Para quase tudo na vida, o esforço é  um ingrediente imprescindível que nos traz a vitória, o sucesso. A palavra esforço, no dicionário, entre outras coisas significa tornar-se forte; animar-se; empregar todos os meios; empenhar-se. Porém na contramão desta verdade em várias vertentes da vida, no que tange à salvação a conversa é diametralmente contrária.

A Bíblia explica, desde o início, que a salvação não depende do nosso esforço e indica o rumo correto a ser seguido. Todo cristão que conhece um pouco da Bíblia, sabe que somente por meio do sacrifício de Cristo é possível se reconciliar com Deus Pai, que não existe outro caminho.

Como isso foi mostrado no início? Após voluntariamente o homem desobedecer a uma clara ordem dada por Deus, isto ocorreu:
“Então foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; e coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais”. Gên. 3:7 

O homem e a mulher se envergonharam e quando se viram nus, buscaram cobrir-se pois Deus os visitava todo dia. O homem sentiu a necessidade de fazer algo para encobrir a vergonha que sentia e, por seu esforço, produziu sua própria cobertura. Deus viu, questionou e mostrou que a cobertura que o homem tentou produzir não era a solução. Homem e mulher haviam sido previamente avisados que teriam sérias consequências como fruto da desobediência. Deus amaldiçoou a serpente, a terra e penalizou o homem e a mulher, porém não deixou de apontar o caminho de volta a ser tomado:

“E fez o SENHOR Deus a Adão e à sua mulher túnicas de peles, e os vestiu.” Gên. 3:21

Deus não os rejeitou nem expulsou do Jardim sem o alento de um plano remidor, que já estava concebido, preparando uma via de retorno. Um primeiro sacrifício foi feito e foi providenciado pelo próprio Deus, indicando o caminho, assim como Ele mesmo proveu o último, em Jesus, que sendo despido no Calvário nos cobre eternamente.
Não cabe ao homem se esforçar para merecer a salvação, mas cabe a ele render-se à obra consumada no Calvário. O esforço é algo louvável, através do qual produzimos muitos frutos mas, nem ontem, nem hoje e nem amanhã produzirá o que coube somente ao esforço de Cristo proporcionar: o retorno ao lar. 

Tony Sathler

Nenhum comentário :

Postar um comentário